Centro de Informações
RV

Myth Buster: desmascarando cinco equívocos no ciclismo

Janeiro 31, 2024

Apesar dos numerosos avanços na ciência do desporto, crenças ultrapassadas e contraproducentes sobre o treino e a preparação física ainda persistem no mundo do ciclismo. Neste artigo, exploraremos cinco equívocos amplamente difundidos e forneceremos uma perspectiva mais moderna sobre nossa compreensão.


Mito 1: O treinamento básico deve envolver apenas passeios longos, lentos e fáceis.


Nós apreciamos a importância do treinamento básico. Ajuda a desenvolver o sistema aeróbico, a aumentar a resistência muscular e a reforçar bons padrões de movimento, preparando o corpo para os esforços exigentes no final da temporada. Beneficia diretamente o seu condicionamento físico, uma vez que o ciclismo depende muito da capacidade aeróbica.


Embora o treinamento básico continue sendo um aspecto crucial para melhorar a velocidade, ele não requer necessariamente as antigas rotinas de exercícios fáceis e longas. Esses métodos exigem uma quantidade significativa de tempo, um luxo que infelizmente falta à maioria de nós. Mesmo que você tenha tempo, manter a disciplina para esse tipo de treinamento pode ser um desafio. Felizmente, existe uma maneira melhor: treinar o sistema aeróbico por meio de treinos mais curtos e de intensidade um pouco maior.


O treinamento ideal é um excelente exemplo, ilustrando que o treinamento básico pode ser realizado com eficiência de tempo. Esta abordagem permite mais flexibilidade, incorporando passeios em grupo e até corridas no início da temporada para maior diversão e consistência. Juntamente com ajustes personalizados para treino adaptativo, o treino de base modernizado destaca-se como um dos métodos mais eficazes e importantes para melhorar o desempenho do ciclismo.


Mito 2: Treine o máximo que puder, desde que não desmaie.


Os ciclistas muitas vezes glorificam a resistência do esporte, equiparando a capacidade de suportar a dor a um símbolo de força. A ideia de que quanto mais difícil for o treinamento, melhor, é um equívoco comum. No entanto, em muitos casos, o oposto é verdadeiro.


Compreender que a recuperação é essencial para a melhoria é crucial. O treino coloca o corpo sob estresse, estimulando a adaptação e subsequentes ganhos de condicionamento físico. Aplicar muita pressão ou permitir uma recuperação insuficiente impede que seu corpo faça essas melhorias, prejudicando seu progresso. É por isso que o princípio da dose mínima eficaz é tão valioso no treinamento, utilizando o mínimo de estresse para alcançar os resultados desejados.


Existem também diferenças fisiológicas significativas entre exercícios fáceis e desafiadores e seu impacto no corpo. Os planos de treinamento são elaborados em torno desse fato, o que significa que alguns exercícios são intencionalmente mais fáceis do que outros. Se cada sessão for excessivamente extenuante, você não apenas ficará exausto, mas poderá negligenciar aspectos cruciais do desenvolvimento do condicionamento físico. Embora o treinamento intenso tenha sua hora e lugar, não é o caso de todos os treinos.


Mito 3: Você precisa percorrer toda a duração do seu evento alvo no treinamento.


Há uma crença comum de que eventos longos exigem treinos igualmente longos, o que pode parecer razoável à primeira vista. Porém, apesar da importância da especificidade no treinamento, nem sempre é necessário replicar o tempo de corrida. Na verdade, 90 minutos ou menos de treinamento podem prepará-lo adequadamente para corridas muito mais longas, fato demonstrado por muitos atletas profissionais.


O tipo de esforço que você coloca na corrida é mais crítico do que replicar sua duração. Corridas extremamente longas são atividades predominantemente aeróbicas, com breves explosões de intensidade em níveis mais elevados. Portanto, um sistema aeróbico robusto torna-se a chave para o sucesso. Conseguir isso não requer treinos o dia todo; envolve simplesmente um treinamento inteligente e organizado que se adapta a qualquer programação.


Passeios mais longos no treinamento ainda podem ser benéficos para ajustar aspectos específicos do desempenho. Fatores como abastecimento, hidratação e adaptabilidade da bicicleta podem desempenhar um papel importante em corridas de longa distância, e exercícios de curta duração podem não revelar totalmente o seu domínio desses elementos. No entanto, replicar a duração exata da corrida é desnecessário, com duas a três horas de pedalada de resistência muitas vezes suficientes para identificar áreas de melhoria.


Mito 4: Você precisa determinar seu tipo de ciclista e adaptar seu treinamento de acordo.


Todos nós aspiramos a pedalar como atletas profissionais. Infelizmente, o que funciona melhor para atletas de elite nem sempre agrada aos entusiastas amadores. O conceito comum de “tipos de pilotos” é um exemplo perfeito. De acordo com esta lógica, todo ciclista está geneticamente predisposto a ser velocista, escalador ou polivalente, e o treinamento visa otimizar essas forças naturais. Embora esse método seja a forma como atletas de classe mundial refinam suas habilidades, há vários motivos pelos quais pode não ser a melhor abordagem para você e para mim.


Em primeiro lugar, é uma forma incrivelmente limitante de abordar o ciclismo. Concentrar-se apenas em um tipo específico de pilotagem ou estilo de corrida restringe sua exposição a todo o espectro de experiências que o esporte oferece. Também limita a sua compreensão das suas próprias capacidades, dificultando o seu desenvolvimento global. Vários tipos de ciclistas obtêm sucesso em diversos eventos, e permanecer aberto a escolhas pode trazer resultados surpreendentes.


Por último, esta noção ignora o incrível potencial que o seu corpo tem para melhorias e mudanças. Embora você possa gravitar naturalmente em torno de uma disciplina, com treinamento adequado, você pode desenvolver qualquer aspecto que desejar. Escolha um objetivo e trabalhe para alcançá-lo.


Mito 5: Perder peso sempre deixa você mais rápido.


As preocupações com o peso estão enraizadas há muito tempo na cultura do ciclismo, com histórias de atletas que tomam medidas extremas para perder alguns quilos, prevalecendo em todos os níveis do esporte. No entanto, a ciência moderna ajuda-nos a separar os factos da ficção, e a verdade é que, na maioria dos cenários de ciclismo, o seu peso não é tão crucial como se poderia pensar.


O fator mais importante é o poder. Sua capacidade de gerar energia girando os pedais é o que o impulsiona para frente, e a maior parte do ciclismo ocorre em terrenos ondulados ou planos, onde a força geral é uma vantagem fundamental. Na verdade, exceto nas subidas mais íngremes, é a combinação de potência e aerodinâmica que determina a sua velocidade; o peso só desempenha um papel significativo em subidas longas e íngremes.


No entanto, muitos ciclistas ainda se fixam nos números da balança. Embora a perda de peso através do ciclismo possa ser benéfica para atletas com razões válidas de saúde, para outros pode ser contraproducente, muitas vezes acompanhada por uma diminuição da força. Por esta razão, concentrar-se em tornar-se mais saudável e forte, consumir alimentos diversificados de alta qualidade para alimentar o seu treino e dar prioridade a treinos consistentes pode ser mais eficaz. É provável que seu corpo melhore com melhor condicionamento físico e desempenho e, o mais importante, você se tornará mais rápido.


Informação básica
  • Ano Estabelecido
    --
  • Tipo de Negócio
    --
  • País / região
    --
  • Indústria principal
    --
  • Produtos Principais
    --
  • Pessoa jurídica empresarial.
    --
  • Total de funcionários
    --
  • Valor anual de saída
    --
  • Mercado de exportação
    --
  • Clientes cooperados
    --
Chat with Us

Envie sua pergunta

Escolha um idioma diferente
English
Türkçe
Nederlands
Português
italiano
français
Español
Deutsch
Idioma atual:Português